• Édi Willian Moreira dos Santos

Energia vai ficar mais cara no Paraná a partir deste sábado



Após um rápido refresco em abril, quando a tarifa de energia elétrica da Copel teve desconto de 11,88%, o consumidor paranaense vai pagar mais caro pela conta de luz a partir deste sábado (24). A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou nesta terça-feira, em reunião pública, reajuste nas tarifas dos consumidores atendidos pela companhia. O aumento médio na tarifa de energia será de 5,85%, para os clientes ligados à rede de alta-tensão, e de 6% para os consumidores de baixa tensão. A Copel atende a 4,5 milhões de unidades consumidoras no estado. Procurada pela FOLHA no final da tarde para explicar o reajuste, a empresa afirmou via assessoria de imprensa que a nota que constava em seu site oficial era a posição de momento, a qual não mencionava os motivos que a levaram a aplicar a alta na tarifa. Em abril, a redução na conta ocorreu como devolução de cobranças feitas pela contratação de Angra 3 durante 2016, porque a usina ainda não está em operação. O desconto atingiu 90 distribuidoras nacionais, com índices que variavam de 0,95% a 19,47%, proporcionais ao que havia sido cobrado indevidamente em cada área e definidos pela Aneel. Na ocasião, a devolução também visou reverter de uma única vez os débitos pela inclusão da parcela do Encargo de Energia de Reserva (EER) pela contratação de Angra 3. Caso contrário, o componente seria pago aos consumidores em 12 parcelas a partir do próximo reajuste tarifário, com atualização pela taxa básica de juros, a Selic. A tarifa da Copel voltou ao patamar normal em maio. No ano passado, o reajuste tarifário aplicado pela companhia em 22 de junho teve redução de 14,3% para os consumidores residenciais. Considerando também os clientes industriais e comerciais, a queda média chegou a 12,87%. O reajuste para baixo ocorreu após análise da planilha detalhada da Copel que havia demonstrado a possibilidade de reduzir a conta de luz no Estado. Entre os fatores que influenciaram na revisão estavam a melhora nos níveis dos reservatórios das hidrelétricas, que produzem energia elétrica mais barata e leva ao desligamento das termelétricas, e também a redução de encargos setoriais e melhoria na eficiência dos custos da empresa.

Informações: Agência Brasil e Odair Matias


0 visualização
  • Instagram
  • Facebook Social Icon
  • YouTube Social  Icon