• Édi Willian Moreira dos Santos

Faxinal recua de decisão de abertura do Comércio em razão das questões Epidemiológicas e Sanitárias


O prefeito de Faxinal, Ylson Álvaro Cantagallo (Gallo) em reunião de emergência com a ACEF – Associação Comercial e Empresarial de Faxinal, neste domingo (28/02) e após ouvir as ponderações dos comerciantes posicionou-se pela reabertura do comércio em geral nesta segunda (01/03), levando em consideração a crise econômica e uma possível demissão em massa dos trabalhadores do seguimento.


Após a reunião foi editado o Decreto Municipal n° 10.255/2021 que regrou os ditames para a retomada das atividades. Em decorrência da situação de calamidade quanto a falta de leitos em todo Estado do Paraná e em especial da Região Macronorte onde está sediada Faxinal, a medida de retomada das atividades é inviável, do ponto de vista Sanitário e Epidemiológico.


O Médico e Chefe da Equipe Sentinela do Covid-19 em Faxinal Dr Tomaz Vilela alerta que nos últimos dias a cidade confirmou mais de 50 casos positivos, está monitorando mais de 70 pacientes e chegou ao 23° óbito: “Lamentável nossa situação, principalmente a falta de conscientização da população que persiste em manter as reuniões festivas com aglomerações e o não uso das máscaras. Hoje estamos com uma paciente aguardando um leito UTI e outros 4 pessoas com internamento domiciliar que podem agravar a qualquer momento. Entendemos as questões financeiras e comerciais, porém, estamos tratando de vidas, numa pandemia cheia de surpresas e incertezas, finalizou o Médico.”


Por outro lado o Secretário de Saúde Fernando Decarle de Campos destacou que a referência para pacientes COIVID-19 é o Hospital da Providência em Apucarana, o qual está com falta de leitos e salientou ainda a escassez de oxigênio para compra, um dos itens primordiais para o tratamento da doença.


O Prefeito e sua equipe voltou a reunir-se com a ACEF na manhã desta segunda feira onde esclareceu e apresentou dados comprovando não ter condições Sanitárias e Epidemiológicas de assumir a responsabilidade da reabertura, visto que se manter esse posicionamento poderá responder civil e criminalmente.


O STF proferiu entendimento que os município possui legitimidade para tomar suas decisões, mas a consultoria jurídica local deixa claro que para assumir tal responsabilidade o município teria que garantir leitos e UTI aos seus munícipes, condição que não dispõe.


Desta forma, o município de Faxinal recuou e emitiu novo Decreto Municipal o qual está seguindo estritamente o Decreto Estadual n° 6983/2021 e as medidas valem até as 00:00 horas do dia 08/03.

177 visualizações0 comentário